Benefício de limpar, higienizar seu colchão ou sofá?

 

A maioria das pessoas tem como hábito apenas a troca da roupa de cama e acaba se esquecendo da importância de higienizar o colchão corretamente e com certa frequência. Fazer essa higienização pode até aparecer fácil à primeira vista, mas ela nem sempre é feita da forma correta. No entanto, manter o colchão limpo é essencial para evitar alergias e doenças respiratórias. Pensando nisso, neste post vamos explicar como higienizar colchão e os benefícios dessa prática. Ficou interessado? Então continue a leitura!

 

Qual a importância de higienizar o colchão ou sofá?

 

Você passa boa parte do seu dia no colchão, correto? Por esse motivo, é fundamental mantê-lo limpo e essa limpeza vai além da troca dos lençóis e fronhas. O colchão é um local de acúmulo de ácaros, aqueles seres microscópicos pertencentes à classe dos Aracnídeos. Eles são invisíveis a olho nu e se multiplicam com muita facilidade, podendo gerar alergias e problemas respiratórios. Os ácaros são responsáveis pelas alergias e por irritações e, acredite, podem existir cerca de 1,5 milhão de ácaros dividindo a cama conosco. Manter o seu colchão limpo e higienizado melhora sua saúde e garante uma boa noite de sono. A limpeza e desinfecção dos colchões é a melhor forma de se livrar dessas criaturas indesejadas. Inclusive, é importante ter uma atenção especial com o colchão de crianças e idosos, que são mais suscetíveis a problemas alérgicos e irritações na pele.

Como higienizar colchão ou sofá?

O primeiro dos cuidados para dormir tranquilo e livre dos ácaros é sempre manter o quarto arejado. Ambientes quentes e úmidos são os preferidos para a proliferação deles. Evite, também, ficar muito tempo sem trocar a roupa de cama e as fronhas. Já a limpeza do colchão em si pode ser feita de algumas maneiras. Nela, você pode utilizar produtos caseiros como uma mistura de bicarbonato e óleo de melaleuca. Borrife dos dois lados, coloque o colchão em um local arejado e depois aspire. Borrifar vinagre com bicarbonato é também uma boa opção para desinfetar seu colchão. No entanto, caso a limpeza não tenha sido feita há muito tempo, é aconselhável à contratação de uma equipe profissional.

A limpeza profissional com produtos e equipamentos próprios, além de eliminar a sujeira comum e superficial, elimina os odores e é capaz de remover com mais precisão microrganismos nocivos à saúde, já que usa produtos bactericidas, antifúngicos e antiácaros.

Entenda quais são os benefícios de limpar regularmente o colchão ou sofa

Manter seu colchão limpo evita a proliferação dos ácaros e, consequentemente, as crises alérgicas e respiratórias, o que contribui para uma boa noite de sono e sem espirros. A manutenção do colchão também garante que ele tenha maior durabilidade. Vale lembrar que a manutenção da limpeza também deve incluir os travesseiros, outro local preferido dos ácaros. Especialistas recomendam a troca dos travesseiros a cada seis meses e, em caso de alérgicos, a troca pode ser feita em períodos menores. Manter a higiene da sua cama é essencial para a sua saúde e bem-estar. Por isso, agora que você já sabe como higienizar colchão, o ideal é fazer essa limpeza mensalmente.

A rinite alérgica e os ácaros

E esse problema é bem mais comum do que parece. De acordo com a ASBAI, a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, em dados publicados no ano passado, por volta de 25% das crianças e 30% dos adolescentes brasileiros sofrem de algum tipo de rinite alérgica. No mundo, de acordo com a WAO, World Allergy Association, são 20 milhões de pessoas que tem esse problema. A rinite é uma reação do sistema imunológico a qualquer substância que ele considere estranha que, normalmente, entra pelo nariz. Os ácaros são algumas dessas substâncias, especialmente suas fezes e as carcaças de microrganismos mortos. Suas características permitem que se adaptem muito bem a um ambiente domiciliar, com temperatura quente e um local úmido. Se alimentam de material orgânico da pele de pessoas e animais, por isso, tem nos colchões o banquete e as condições de vida perfeitas. Sua presença nesse objeto é tão grande, que especialistas em alergias estimam que por volta de 1,5 milhão de ácaros podem viver em travesseiros e colchões mesmo apenas após 2 anos de uso.

 

Por isso, a limpeza dos colchões é tão importante para a saúde, já que a rinite e outros problemas respiratórios frequentes podem causar até mesmo asma.

Limpando as fronhas e travesseiros

Apesar da importância de limpar o colchão, e ele reunir o maior número de ácaros, os acessórios também devem ser higienizados com bastante frequência. É o caso das fronhas e dos próprios travesseiros. Os cuidados com as roupas de cama devem ser ainda mais frequentes do que com o colchão. Uma vez por semana, pelo menos, é o tempo recomendado de modo a evitar um acúmulo ainda maior de poeira e dos ácaros. Para fazer uma limpeza mais profunda e tirar manchas mais pesadas o recomendado é ferver um pouco de limão com vinagre em uma panela com água. Em seguida, os lençóis, fronhas ou o que quer que queria-se remover as manchas deve ser deixado de molho por, pelo menos, uma hora. O objetivo disso é “enfraquecer” as manchas, para que elas saiam durante os ciclos de lavagem normal. É claro que essas são ótimas soluções para a limpeza dos colchões e evitar a proliferação exagerada de ácaros, bactérias e outros micro-organismos que possam trazer problemas de saúde. Mas, para uma limpeza ainda mais profunda e minuciosa o ideal é contar com uma empresa especializada nesse serviço, como a SPS serviços.

 

Blog SPC

Administração de condomínios: tudo o que você precisa saber!

 

Para gerir um condomínio, é necessário o auxílio de toda uma comunidade. A ideia de um síndico solitário e totalmente independente deixou de ser realidade há tempos. Assim, é normal que a empresa administradora de condomínios seja um dos personagens desta empreitada. Mas, você sabe como funciona a administração de condomínios?

Preparamos este artigo para esclarecer todas as dúvidas mais comuns sobre o tema e ainda repassar algumas informações sobre as administradoras de condomínio. Confira:

O que é uma administradora de condomínios?

Como o nome já sugere, uma administradora de condomínios é uma empresa cuja função é a de administrar o condomínio e auxiliar o síndico nas tarefas diárias que envolvem o condomínio. 

Como funciona a administração de um condomínio?

Administrar um condomínio, é basicamente como cuidar de uma empresa. A administração condominial tem como principais funções:

Elaboração da folha de pagamento dos funcionários;

Emissão de boletos de pagamento da taxa condominial;

Organização da pasta de prestação de contas;

Realização do demonstrativo de receitas e despesas de condomínio;

Assessoria antes e depois de reuniões de assembleia geral;

Gerenciamento dos encargos previdenciários mensais;

Gerenciamento do fundo de reserva e do fundo de obras;

Cuidar das contas ordinárias do condomínio;

Além disso, a administração é responsável por manejar a conta pool, quando houver.

Além desses afazeres, é dever da administradora de condomínio fornecer orientações sobre aspectos legais de diferentes setores, tais como administrativo, financeiro e trabalhista. 

Entenda as funções da administradora de condomínio

A administradora de condomínios é uma empresa especializada em dar suporte na administração condominial. Em geral, a prestadora de serviços é contratada para gerenciar a parte administrativa, jurídica, contábil e de recursos humanos do empreendimento.

Algumas das funções exercidas por uma administradora de condomínio são:

Gerenciar contas a pagar;

Emissão de boletos para pagamentos da taxa condominial, fundo de reserva e multas;

Fazer a gestão tributária do condomínio;

Organizar e alocar arquivos e documentos do condomínio;

Elaborar a previsão orçamentária e os demonstrativos de receitas e despesas do condomínio;

Dar suporte na prestação de contas anual;

Prestar assessoria jurídica;

Atender dúvidas e solicitações dos condôminos;

Manejar a folha de pagamento dos funcionários;

Redigir cartas, circulares, editais de convocação e atas;

Realizar cobranças e gerenciar a inadimplência do condomínio.

Objetivo da administração de condomínios

O principal objetivo de uma empresa de administração é suprir as demandas administrativas e burocráticas de um condomínio. Para tanto, é dado auxílio e orientação ao síndico na realização de demandas que influenciam diretamente na gestão do empreendimento. Em síntese, a administradora serve para colaborar com o trabalho do síndico.

O que é necessário para administrar um condomínio?

 

 

Quer mais conteúdos assim?

Cadastre-se e receba em primeira mão as melhores dicas e novidades sobre condomínio.

É importante ressaltar que não há nenhuma exigência com relação à formação acadêmica para se administrar um condomínio, mas é importante ter conhecimento em diferentes áreas para que o trabalho seja bem feito e dentro dos termos da lei.

Para administrar um condomínio é importante ter conhecimento nas seguintes áreas:

Financeira;

Contabilidade;

Questões civis;

Compreender as leis trabalhistas.

Além disso, ter experiência na área administrativa é fundamental para toda e qualquer administradora de condomínio.

O que é gestão de condomínios?

Para finalizar, vamos abordar o que é a gestão de condomínios e como isso se relaciona no funcionamento de uma administradora de condomínios. Em síntese, gestão de condomínio se refere a tudo aquilo que é feito para manter o empreendimento funcionando adequadamente, conforme as normas. Em resumo, a gestão de condomínio envolve:

Cuidar da contabilidade e finanças;

Atender as demandas dos condôminos;

Organizar manutenções periódicas;

Garantir a segurança do empreendimento e dos moradores;

Realizar reuniões de condomínio e votações;

Obedecer a legislação interna: convenção e regimento interno.

Essas e as demais questões do dia a dia gerenciando o condomínio são de responsabilidade do síndico. No entanto, o gestor pode repassar algumas destas atividades para à administradora.

Diferença entre administrador de condomínio e síndico de condomínio

Por outro lado, não são todos os condomínios que têm condições financeiras de investir em uma administradora. Logo, uma opção alternativa é a contratação de um administrador de condomínio. Ele é um profissional autônomo, contratado para lidar com as questões administrativas em âmbito condominial. Em outras palavras, ele assume o papel da administradora e cuida da contabilidade, finanças e recursos humanos do imóvel, de forma independente.

Apesar de semelhantes, o papel do administrador do condomínio é diferente do síndico profissional. Enquanto que o administrador cuida apenas da parte administrativa e burocrática, o síndico é o responsável final por toda a gestão do condomínio. Ambos os profissionais trabalham em conjunto para melhorar a vida dos condôminos e garantir a legalidade do mandato.

Responsabilidades da administração de condomínios

Um dos aspectos importantes ao entender como funciona uma administradora de condomínio é compreender qual a responsabilidade da empresa. Como citamos anteriormente, o Código Civil determina que é o síndico o responsável direto pelo condomínio. Dessa maneira, é ele quem pode responder civil e criminalmente por problemas que podem ocorrer ao longo da gestão.

Entretanto, como funciona quando os problemas são causados pela administradora de condomínio? Nesses casos, devemos destacar que existem uma responsabilidade solidária entre condomínio e administradora. Isso quer dizer que, ambas as entidades do condomínio podem ser responsabilizadas judicialmente em situações de má gestão. Entretanto, a primeira pessoa a ser responsabilizada é o síndico. Em seguida, deve ser analisada a responsabilidade do administrador do condomínio ou administradora.

Logo, o síndico e o conselho fiscal do condomínio devem ficar de olho nas ações e medidas tomadas pela administradora em prol do empreendimento. A fiscalização é essencial para evitar dores de cabeça e problemas que podem lesar cada vez mais as contas do condomínio.

Ao contratar uma empresa, não se deve fazer a escolha com base apenas no quanto cobra uma administradora de condomínio ou na reputação da franquia de administradora de condomínio mais famosa. É preciso compreender que a idoneidade da empresa é o item mais importante durante a seleção.

Responsabilidades do síndico de condomínio

É natural que se questione o papel do síndico quando há a presença de uma administradora no condomínio. Entretanto, o síndico sempre irá exercer o cargo mais importante dentro da gestão condominial. Ainda é ele quem toma as decisões pelo condomínio. Desse modo, o objetivo do síndico se resume em defender o interesse do condomínio, agindo como uma espécie de porta-voz dos condôminos.

Sinergia entre administradora de condomínio e síndico

É possível resumir a relação entre administração de condomínios e síndico como: uma parceria. Ambas as partes devem trabalhar em conjunto em prol do condomínio, sempre com o intuito de aprimorar cada vez mais a vida no local.

Enquanto a administradora fica responsável pela parte burocrática, o síndico pode se dedicar às demandas dos moradores. Ou, até mesmo, em buscar formas criativas de como reduzir o valor das cotas condominiais.

Administração de condomínios: natureza jurídica

Uma questão importante de como funciona uma administradora de condomínio é compreender quais as leis e regras que regem a atuação.

Conheça as leis e regras

O Código Civil permite que prestadoras de serviços sejam contratadas por condomínios para auxiliar nas funções administrativas. Novamente, essa questão é abordada no Art. 1.348.

A contratação de uma administradora deve ser feita com base nas regras estipuladas pela convenção coletiva e pelo regimento interno. Bem como a escolha da empresa deve ser realizada mediante a votação em assembleia geral.

Além disso, a lei também permite que o condomínio transfira o papel do síndico para a empresa. Dessa maneira, a administradora pode assumir as funções do síndico do condomínio de maneira integral.

Precisa de uma ajuda para organizar as contas do condomínio?

janeiro 29, 2020 Por Town Sq

 

Blog SPC

Os 10 pecados do síndico

 

Ser síndico, sabemos, não é missão para qualquer um. O cargo do representante do condomínio traz consigo diversas responsabilidades que não devem ser ignoradas.

Acontece, porém, que a função do síndico não comporta que algumas dessas responsabilidades sejam ignoradas, negligenciadas ou esquecidas.

Para evitar que que você erre justamente onde não deve, o SíndicoNet elencou abaixo os 10 “pecados” que você não deve nunca, jamais, em tempo algum, fazer!

1- Não respeitar a destinação dos fundos do condomínio

Por que é grave?

Diferentes fundos são pagos por pessoas diferentes. Quem aluga uma unidade é chamado para pagar apenas as despesas ordinárias – as extraordinárias devem ser pagas pelos donos da unidade.

Além disso, se o síndico começar a pegar os fundos de obra para honrar pagamentos como manutenção preventiva ou os salários dos funcionários sem a anuência da assembleia, ele pode ser chamado a restituir esses valores para o condomínio, do próprio bolso.

Como evitar:

Se a arrecadação condominial não está dando conta de cobrir os gastos, o correto é chamar uma assembleia para aprovar o aumento da cota condominial.  Dessa forma, o síndico se resguarda, uma vez que dividiu o problema com toda a coletividade.

2- Exposição dos inadimplentes

Por que é grave? 

Deixando-os em uma posição desconfortável (como colocar o balancete no elevador, por exemplo, onde são citadas as unidades devedoras), o condômino em questão pode se sentir impelido a abrir uma ação de danos moral contra o condomínio.

Além de não pagar seus atrasados, o empreendimento ainda terá de enfrentar um processo, e possivelmente pagar uma multa.

Como evitar: 

O síndico não deve deixar de informar quais unidades estão devendo. Porém, deve fazer de maneira a não constranger ninguém.

Esse dado pode vir junto ao boleto de pagamento do condomínio, evitando que o dado fique exposto nas dependências do condomínio.

A lista também não deve apresentar os nomes dos devedores, apenas os números das unidades inadimplentes devem ser mostrados.

3- Obras sem aprovação

Por que é grave?

Caso o síndico aprove uma obra (que não seja emergencial) sem a anuência da assembleia, o mesmo pode ser obrigado a desfazer a obra e também a ressarcir o condomínio desses gastos, do próprio bolso.

Além disso, mesmo a obra sendo aprovada em assembleia, todo cuidado é pouco para não errar no quórum necessário.

Obras nas unidades: Não se esqueça também que, desde abril de 2014, de acordo com a Norma 16.280 da ABNT, reformas nas unidades devem contar com a anuência do síndico, assim como uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) ou RRT (Registro de Responsabilidade Técnica), de um engenheiro ou arquiteto, dependendo da melhoria feita.

Como evitar: 

Passe pela assembleia toda e qualquer reforma que não seja emergencial. Dessa forma, o síndico divide a sua responsabilidade com toda a coletividade.

Importante ressaltar que, mesmo as obras emergenciais – que não carecem de aprovação prévia -, o síndico deverá justificar e ratificar o uso do dinheiro na próxima assembleia.

 

4- Não pagar os encargos sociais e impostos

Por que é grave? 

Os encargos sociais são um direito de todo trabalhador, seja ele do condomínio ou contratado de uma empresa terceirizada.

Acompanhar o pagamento de encargos e impostos feito pela administradora do condomínio é fundamental, assim como checar se a empresa terceirizadora de mão-de-obra do seu condomínio faz o mesmo.

Caso a empresa não esteja honrando com seus compromissos, essa pendência pode gerar uma ação trabalhista contra o condomínio e dívida junto a órgãos como o INSS e o FGTS. O condomínio será acionado como responsável solidário por esse pagamento.

Mesmo antes de contratar esse tipo de serviço é fundamental que a empresa seja estudada para evitar que o condomínio passe por um processo do tipo, que costuma ser bastante custoso.

Como evitar: 

Antes de contratar uma empresa da categoria, o ideal é que a administradora cheque, para o condomínio, se a empresa em questão tem certidões negativas de débitos municipais, estaduais e federais, principalmente as expedidas pelo INSS. Confira também o certificado de regularidade do FGTS do fornecedor.

Além dessa checagem inicial, o ideal é que a administradora faça esse “pente fino” com a terceirizadora a cada três meses. Para tanto, o contrato de prestação de serviços deve conter cláusula que obrigue o fornecimento desse tipo de informação à administradora.

Só assim é possível diminuir o impacto nas contas do condomínio, caso uma empresa do tipo abra falência ou deixe de pagar os encargos e impostos devidos por um longo período, deixando o condomínio, dessa maneira, obrigado a arcar com esses custos.

“O síndico também não deve abrir mão de um contrato. Não deve ser seduzido por descontos extras por trabalho sem nota fiscal, além disso. Afinal, como ele vai conseguir comprovar as despesas sem esses documentos?”, assinala Rosely Schwartz, especialista em condomínios.

Outros impostos: Além dos encargos e impostos dos fornecedores, o síndico também deve se atentar aos pagamentos dessa natureza do próprio condomínio.

Não deixe de contar com a sua administradora para auxiliá-lo nesse acompanhamento e checagem de pagamentos. Uma boa administradora deve apresentar, mensalmente, os comprovantes de encargos e impostos pagos, assim como certidões, na pasta de prestação de contas.

5- Não se comunicar com os moradores

Por que é grave?

Segundo pesquisas do SíndicoNet, a má comunicação é uma das principais fontes de desgaste na relação entre síndicos e condôminos.

E não é à toa. Grande parte de ser síndico é ouvir o próximo, e os moradores esperam esse tipo de relação com o gestor.

Por isso, quando os vizinhos o procuram, esperam encontrá-lo, ser atendidos e ter suas dúvidas sanadas.

Se o síndico não se mostra acessível, passa a impressão de que ele não precisa dialogar com a comunidade, que é pouco democrático que não precisa ser transparente em sua gestão.

“É fundamental que o gestor se comunique bem com os moradores, que eles saibam onde encontrá-lo e que tenham suas dúvidas respondidas”, ressalta Gabriel Karpat, diretor da administradora GK.

Como evitar: 

Dê opções e orientações aos moradores sobre como eles podem contatar o síndico.

As formas de comunicação devem estar claras para todos, e devem ter o objetivo de facilitar a vida do síndico, não o contrário.

Por exemplo, o uso desordenado de aplicativos como WhatsApp pode virar uma dor de cabeça a mais. Por isso, é importante estabelecer regras e limites.

O ideal é disponibilizar e centralizar a comunicação em um canal online específico, como um e-mail ou site do condomínio, que costumam ser mais fáceis para organizar e priorizar as solicitações e dúvidas.

Outra dica é realizar um plantão a cada duas semanas no salão de festas. Isso também costuma ser bem visto entre os moradores.

Caso o síndico não consiga responder tudo, é muito importante que, ao menos, avise ou peça mais tempo para responder o que não for prioridade, sem deixar o morador a “ver navios”.

6- Descuidar da manutenção

Por que é grave?

Certos equipamentos são extremamente necessários para o bom funcionamento do condomínio e, mais do que isso, alguns, se mal cuidados, podem colocar em risco a vida dos moradores.

Por isso, não se pode nunca descuidar de sua manutenção preventiva.

O elevador, a estrutura elétrica, hidráulica e contra incêndios, e até o bom estado do playground, por exemplo, são importantíssimos para a segurança e o bem estar geral dos moradores.

Um elevador que despenca por falta de manutenção, ou um vazamento de gás, também devido à falta de manutenção na tubulação, tenha certeza que o problema, para o síndico, será grande.

A possibilidade de uma situação dessas ser letal aumenta muito, se o síndico for negligente na manutenção preventiva e corretiva.

Caso alguém morra – seja em um incêndio ou devido a uma queda do elevador, ou inalando gás que ficou vazando por dias – o síndico pode responder criminalmente, uma vez que negligenciou todos esses cuidados.

Também pode ser chamado a cobrir, do próprio bolso, os estragos causados pelo acidente, uma vez que, se comprovada a negligência, dificilmente a seguradora irá pagar algo nesse caso.

“Os síndicos devem ter consciência de que esse é um tema de extrema importância para todos no condomínio. É algo que, em uma situação de risco, pode fazer a diferença na vida das pessoas”, aponta Rodrigo Karpat, advogado especialista em condomínios.

Como evitar: 

Ter um calendário de manutenção preventiva para todos os itens do condomínio e segui-lo, junto com o zelador, não é apenas importante para a segurança do condomínio, mas também ajuda a manter as contas nos trilhos.

Afinal, evitar que algo aconteça é muito mais econômico do que fazer reparos emergenciais

7- Oferecer descontos aos inadimplentes

Por que é grave?

O dinheiro que os inadimplentes estão devendo não é do síndico, mas de toda a coletividade.

Ao dar um desconto para quem não está com suas obrigações em dia, pode parecer que o síndico está oferecendo benefícios para quem não colaborou com o bem comum.

Por isso, caso a coletividade discorde desse tipo de abatimento, o síndico pode ter que devolver ao caixa do condomínio o que foi abatido dos inadimplentes, além de responder por má gestão do condomínio – o que poderia, inclusive, resultar em impugnação do mandato.

Como evitar: 

Não dê descontos para os inadimplentes. O que o síndico pode oferecer é um parcelamento da dívida, prazos de pagamento, etc.

8- Assembleia irregular

Por que é grave?

Caso algum investimento, uma taxa extra, ou até a eleição do síndico que tenha sido aprovada em uma assembleia irregular, qualquer decisão advinda desse encontro não terá validade jurídica, caso um condômino insatisfeito peça pela impugnação da mesma.

Isso acontece quando a assembleia não foi convocada nos moldes da sua convenção condominial, por exemplo, além de outras regras importantes que você pode ver aqui.

Ou seja: as pessoas vão até a assembleia, se reúnem, votam, mas depois o que foi decidido não tem nenhum valor legal.

E isso, sabemos, pode ser uma tremenda dor de cabeça para quem precisa aprovar uma obra rapidamente, ou até para que o síndico esteja legalmente eleito.

Como evitar:

Siga os procedimentos exigidos pela sua convenção. Convoque a todos. Respeite os trâmites. Faça a ata corretamente e não deixe inadimplentes votarem.

9- Seguro vencido

Por que é grave?

É uma das obrigações do síndico, expressa no Código Civil, fazer o seguro do condomínio. Daí já é possível saber a importância desse assunto na gestão condominial.

Deixar o condomínio com a apólice vencida é um risco muito grande a se correr. Caso haja um incêndio ou um evento qualquer que gere destruição parcial ou total das inalações do condomínio, esse não tem a quem recorrer.

Nesse caso extremo, o síndico, por ter sido negligente ao não renovar a apólice, pode ser chamado a responder, do próprio bolso, pelos danos sofridos pelo condomínio.

Como evitar:

Mantenha sempre a sua apólice de seguros em dia. Caso esteja achando caro o valor pago, pense em como ele é importante caso uma eventualidade aconteça.

Também vale a pena pesquisar outras corretoras ou seguradoras, caso o valor seja realmente muito superior à média do mercado.

10- Fornecedores sem seguro

Por que é grave?

Caso um funcionário de um fornecedor contratado morra ou sofra um acidente grave durante seu trabalho no condomínio, o empreendimento é responsável solidário quanto à indenização daquele trabalhador.

Ou seja, caso a empresa não tenha seguro do funcionário e não pague a indenização, o condomínio será acionado judicialmente para fazer esse pagamento.

Além disso, é de suma importância exigir da empresa prestadora equipamentos de segurança (EPIs) suficientes para os funcionários, o que varia de acordo com o tipo de serviço.

Um acidente pode acontecer com qualquer fornecedor que preste serviço no empreendimento: do técnico que faz a manutenção no elevador, ao pintor que está fazendo a manutenção da fachada, passando pelo técnico que está cuidando da parte elétrica, ou o auxiliar em obra que esteja acontecendo nas áreas comuns do condomínio, por exemplo.

Como evitar: 

Ao contratar qualquer serviço é fundamental que conste no contrato que a empresa fornecedora tem seguro de vida e contra acidentes de seus funcionários.

Também é importante fazer constar no contrato que o condomínio fica desobrigado a responder futuramente por esse tipo de sinistro, caso o mesmo ocorra em suas dependências.

Fonte: Sindiconet

Terceirização em condomínio

Falar de terceirização de serviços em condomínio não tem muito mistério. Atualmente, se permite terceirizar qualquer atividade de uma empresa, inclusive a atividade-fim. Porém, o que é preciso destacar são os limites da prática e a responsabilidade subsidiária do condomínio nessa modalidade de contratação.

No que diz respeito aos limites, o condomínio deve realizar a contratação de serviços de condomínios terceirizados de forma legal.

De forma simples, o condomínio não pode demitir seu empregado (funcionário próprio) para, em seguida, contratá-lo como pessoa jurídica. Deverá esperar, no mínimo, 18 meses antes da contratação. No mesmo sentido, o ex-empregado do condomínio deve aguardar 18 meses, após a demissão, para prestar serviços ao ex-empregador como terceirizado.

Vantagens

Contar com serviços terceirizados pode trazer alguns benefícios importantes para o condomínio e para a gestão do síndico. Veja alguns:

  • Fazer uma gestão estratégica no condomínio: a contratação de serviços terceirizados pressupõe a delegação das funções de gestão de pessoal à empresa contratada. Ainda que o síndico deva fazer um bom controle de mão de obra terceirizada, será a prestadora de serviços a responsável por se preocupar com padrões de qualidade e prazos, além de dirigir a atividade dos empregados. Assim, o síndico direciona seus conhecimentos e suas horas para uma administração estratégica.
  • Ter profissionais e equipes especializados: os profissionais próprios do condomínio nem sempre possuem conhecimento especializado para executar as atividades. No caso dos serviços terceirizados, um dos pressupostos da contratação é a capacitação do profissional que prestará o serviço. Assim, poderá atividades complexas, que demandam mais conhecimento técnico, com mais precisão e propriedade.
  • Reduzir custos operacionais: a folha de pagamento do condomínio é onerada com encargos, recolhimentos, tributos e direitos trabalhistas. Quando o síndico substitui a contratação direta pela terceirização, caberá à empresa prestadora a responsabilidade por todos os custos trabalhistas, tributários e previdenciários em relação aos profissionais. O condomínio fica com a responsabilidade subsidiária.
  • Otimizar o tempo: a terceirização de determinadas funções operacionais no condomínio contribui para a melhor administração do tempo, uma vez que as empresas prestadoras tomam a frente em algumas tarefas. O síndico consegue evitar a sobrecarga de trabalho em si e nos profissionais por meio de uma divisão mais adequada de responsabilidades. Além disso, como os processos são mais profissionalizados, ocorre um impacto positivo na produtividade e na satisfação dos condôminos.

 

Serviços terceirizados para contratar no condomínio

Na gestão condominial, o síndico pode optar por alguns serviços terceirizados para usufruir desses benefícios. Há, entretanto, uma posição de que determinadas funções, por terem íntima ligação com uma gestão estratégica, não devem ser terceirizadas. É o caso da zeladoria. Ainda assim, há locais que contratam alguém terceirizado para o posto.

Podemos pontuar que os serviços terceirizados mais comuns no condomínio são portaria, segurança, limpeza, manutenção predial e serviços gerais.

1. Portaria

A portaria é um dos serviços terceirizados para contratar no condomínio por diversos motivos. Os profissionais que exercem tal função são muito importantes para a segurança da edificação. Eles são responsáveis pelo controle de acesso de pessoas (moradores, funcionários e prestadores de serviços), veículos e encomendas. Eles exercem uma atividade de recepção com foco em segurança, sendo necessário ter assiduidade, pontualidade, atenção, bom relacionamento e comunicação, dentre outras habilidades.

Diante de tantas características, é comum que um condomínio tenha um porteiro que não engloba todas elas. Provavelmente, alguns síndicos já se depararam com um funcionário da portaria dormindo ou fora do posto no horário de trabalho. Ou que não faça um controle tão rígido, comprometendo a segurança de todos.

Por este motivo, se cogita a terceirização da portaria. A empresa prestadora tem a obrigação de fornecer um profissional que reúne as melhores características para a função, e que seja bem treinado para exercê-la. É provável que um porteiro bem qualificado não comente assuntos referentes aos seus serviços ou assuntos relacionados às questões internas, como segurança do condomínio ou vida dos moradores.

Em suma, é mais fácil encontrar um porteiro terceirizado que sabe exatamente quais suas funções e que tenha conduta cordial e educada, apresentação pessoal impecável, treinamento, comprometimento, postura profissional na relação com os condôminos.

2. Segurança

A proteção do condomínio depende de esforços conjuntos do síndico, dos condôminos e do porteiro. Porém, em muitos locais, principalmente os condomínios maiores, é preciso ter profissionais de segurança responsáveis por fazer ronda interna e no entorno do condomínio, estar em contato direto com a vizinhança, dentre outras funções. E a capacitação de profissionais para essas atividades demanda uma atenção especial.

Como o treinamento deve ser especializado, é muito comum que a segurança seja um dos serviços terceirizados para contratar no condomínio. Afinal, a atividade é regulamentada por normas próprias que regulamentam a atividade de segurança privada no Brasil (Lei nº 7102/83 e Portaria 3233/2012). Além disso, sofre fiscalização e controle da Polícia Federal. Portanto, o condomínio que deseja contar com seguranças próprios deve adotar uma série de procedimentos que fogem do seu escopo. Para isso existem as empresas que prestam tal serviço.

3. Limpeza

Agilidade, capacidade física, disposição, proatividade, iniciativa, responsabilidade, organização, discrição, trabalho em equipe, atenção. Essas são características dos profissionais que integram a equipe de limpeza de um condomínio. E unir todas elas em uma pessoa são um desafio grande.

Muitos síndicos já tiveram problemas com funcionários que não conseguiam executar tarefas mais pesadas de limpeza ou que tinham conhecimento limitado sobre os produtos adequados para cada área da edificação. O resultado disso é a dificuldade em ter um condomínio limpo, em ordem e organizado. Para vencê-lo, a limpeza se tornou um dos serviços terceirizados.

As empresas que prestam esse tipo de serviço possuem profissionais capacitados e treinados para a limpeza condominial. De acordo com as demandas que o síndico passa, podem escolher os empregados mais qualificados para o trabalho. Se é um condomínio cuja limpeza é tranquila, sem exigência de esforço físico acima da média, direciona-se determinados profissionais. Se for o contrário, é preciso ter trabalhadores com força física.

Além disso, os terceirizados, por possuírem mais conhecimento, poderão indicar ao síndico quais produtos ou equipamentos necessitarão para realizar um bom trabalho, uma vez que acompanham o mercado.

Outra opção utilizada pelos síndicos é terceirizar somente parte dos serviços de limpeza. O condomínio pode ter um funcionário para realizar diariamente as limpezas mais leves. Já as limpezas pesadas, como caixas d’água, estacionamento, piscinas e outros equipamentos, podem ficar a cargo dos terceirizados.

Antes de adotar os serviços terceirizados de limpeza, o síndico deve ter consciência dos tipos de limpeza. A limpeza geral é realizada todos os dias em áreas maiores, como halls, corredores e elevadores. A limpeza de manutenção e conservação é feita para manter o ambiente limpo por mais tempo, envolvendo recolhimento de lixo, dentre outras. Para cada uma delas, existem materiais de limpeza específicos.

4. Manutenção predial e serviços gerais

Os profissionais de manutenção predial e serviços gerais têm uma grande importância no condomínio. São eles quem mantêm os equipamentos em bom estado, prontos para serem utilizados. A grande questão em torno dessas funções é que elas demandam profissionais de diversas modalidades técnicas e operacionais. E é improvável que o condomínio consiga ter uma equipe interna com tanta diversidade.

O auxiliar de serviços gerais que é funcionário do condomínio costuma ter experiência prática em pequenos reparos. Mas e quando é necessário realizar atividades mais técnicas, que demandam mais conhecimento? Ele não possuirá especialização e capacitação para tal. Daí nasce a necessidade dos serviços terceirizados de manutenção predial e serviços gerais.

O síndico pode contratar trabalhadores pontuais para jardinagem, por exemplo, e ter uma equipe para lidar com reparos elétricos, hidráulicos, refrigeração e reformas estruturais. A vantagem de ter esses serviços terceirizados é que a empresa prestadora treinará seus funcionários de acordo com as normas de saúde e segurança do trabalho, de forma que atuem dentro da lei, com profissionalismo, ética e cordialidade.

Encontrando os melhores prestadores de serviços terceirizados

O síndico que deseja contar com serviços terceirizados deve saber que existem alguns cuidados fundamentais na hora de escolher o prestador de serviços. Isso deve ocorrer não só para que as tarefas sejam executadas com qualificação e comprometimento, mas também porque o condomínio é responsável subsidiário pelas obrigações tributárias, previdenciárias e trabalhistas.

Para escolher um bom prestador de serviços, o síndico deve se atentar aos seguintes pontos:

  • Mapear as necessidades do condomínio: o síndico deve saber exatamente quais as demandas internas para saber as funções e as tarefas a serem terceirizadas. Além disso, poderá instruir sobre o padrão de qualidade, as responsabilidades e as entregas necessárias. A partir de então, poderá colher orçamentos e propostas compatíveis com suas demandas.
  • Pesquisar feedbacks no mercado: os prestadores de serviços terceirizados devem ser bem avaliados. Essa pesquisa de feedback pode se dar em sites de reclamação, sindicatos patronais e profissionais, redes sociais, órgãos de defesa do consumidor, entidades do setor e ex-clientes.
  • Analisar a capacidade de atendimento: considerando a responsabilidade que o condomínio possui na terceirização, o síndico deve avaliar a capacidade econômica e estrutural da prestadora de serviços terceirizados para atender às necessidades e demandas do condomínio. O síndico deve, então, analisar a capacitação e a experiência dos profissionais que executarão as tarefas.
  • Verificar a regularidade da empresa: outra forma de avaliar referências das empresas prestadoras de serviços terceirizados é pesquisa certidões negativas e comprovantes de idoneidade financeira. Esses documentos garantem que a prestadora está em dia com as obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais, o que evita a responsabilização do condomínio.
  • Comparar orçamentos e propostas: para prezar pela saúde financeira do condomínio, qualquer contratação pelo síndico deve envolver uma comparação entre orçamentos e propostas. Antes de contratar, o gestor deve apresentá-los em assembleia, caso envolva grande despesa. Tenha em mente que a avaliação dos documentos não considere somente o menor preço, mas também a capacidade de atendimento da empresa, a regularidade quanto às obrigações. Ou seja, a prestadora de serviços terceirizados deve apresentar bom custo benefício.
  • Faça contratos claros: a elaboração do contrato de prestação de serviços é parte importante na hora de contratar uma empresa. Afinal, neste documento constam as principais regras da relação, com questões objetivas, normativas e legais. É preciso detalhar todos os direitos e deveres das partes, apontar detalhadamente o objeto do contrato e as respectivas funções de funcionário terceirizado, definir as penalidades em caso de descumprimento do contrato, estabelecer cláusulas facultativas (pagamento de bônus), cláusulas sobre pagamento (forma e prazo) e cláusulas de adequação de demanda.

Supervisor

Um dos pontos que devem ser objeto de análise do síndico na hora de contratar serviços terceirizados é o supervisor. Existem contratos entre condomínios e empresas terceirizadas que incluem essa função, que é o elo entre os contratantes.

Existe um supervisor para cada um dos serviços terceirizados do condomínio. Se a terceirização envolve somente portaria, o supervisor será responsável por entender tudo sobre a segurança e o controle de acesso, bem como ter boa comunicação com o zelador e com o síndico. Dentre suas funções, está o uso das informações úteis, obtidas a partir das conversas com os gestores, para aprimorar o trabalho dos terceirizados. Elas também podem servir para sugerir posturas preventivas na área de segurança.

Para exercer corretamente tal função, além de visitar o condomínio uma semana antes do início dos trabalhos, o supervisor acompanhará as atividades dos porteiros. Será responsável por orientar, fiscalizar, corrigir e ensinar sobre suas funções mais primordiais. Por ser o elo entre a prestadora e o condomínio, é também ele quem auxilia na elaboração das escalas de serviço, no encaminhamento da documentação da empresa ao porteiro, na solicitação e entrega de uniformes, na indicação de profissionais para cursos de reciclagem e nas apurações de eventuais desvios de conduta.

Certamente, se essa função existir, deverá ser detalhada em contrato, bem como suas atribuições.

Um condomínio pode adotar serviços terceirizados para otimizar sua gestão e ter uma prestação mais especializada. O síndico é um dos beneficiados diretos, porque tem mais tempo para realizar atividades estratégicas em favor da coletividade. Dentre os serviços, portaria, segurança, limpeza, manutenção predial e serviços gerais são os mais terceirizados. Mas, para isso, é preciso saber escolher corretamente a empresa prestadora e fazer um bom controle de mão de obra.